Página 1 de 1

Excelência científica nos Politécnicos

Enviado: segunda mai 13, 2019 11:20 am
por Torgal
Na sequência do email abaixo apresenta-se lista sobre o tal indicador que na União Europeia acham que é sinónimo de excelência científica. Incluem-se também resultados de algumas universidades cujo desempenho é inferior ao do campeão dos Politécnicos. Resta só esperar que a DGEEC faça o resto do trabalho.

Rácio (Papers Top 1%)/Docente ETI) nos últimos 10 anos
IPBragança.......0.11
UBI..................0.11
IPPorto.............0.10
UAberta............0.10
UÉvora..............0.10
UMadeira...........0.09
UTAD................0.07

IPCoimbra.........0.05
UAçores............0.05
IPViseu..............0.03
IPLeiria..............0.03
IPBeja................0.03
IPSetúbal...........0.03
IPGuarda...........0.02
IPLisboa............0.02
IPViana C..........0.01
IPSantarém.......0.01
IPCast. Branco..0.005
IPCA..................0.0
IPTomar.............0.0




________________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 13 de Maio de 2019 8:10
Assunto: "ERC researchers score 7 times higher than “normal” (1%) on this key performance indicator"

http://www.dgeec.mec.pt/np4/np4/381/%7B ... desFCT.pdf

Porque é que na DGEEC acharam importante saber qual a percentagem de docentes integrados em unidades de investigação (quadros 9 e 10 do link acima) mas não acham importante saber como é que comparam entre si as diferentes unidades orgânicas das diferentes universidade nacionais no que respeita ao tal "key performance indicator" que é o mesmo referido no email abaixo relativo à excelência científica ?



________________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 11 de Maio de 2019 17:30
Assunto: 2019___"Europe – the Global Centre for Excellent Research"

http://www.europarl.europa.eu/RegData/e ... 062_EN.pdf

Acima link para interessante e recente documento de 76 páginas. A secção 1.2 diz respeito à excelência cientifica e a fig 8 compara o desempenho dos diferentes países em termos de publicações altamente citadas, sendo igualmente interessante a fig 21 que correlaciona publicações do tipo Top 1% e o número de bolsas milionárias ganhas por cada país. Também merece referência o facto de neste documento e na tal secção relativa à excelência cientifica se falar somente de um ranking, o ranking Shanghai (pag. 20) o tal ranking onde a Universidade de Coimbra deixou de conseguir entrar.