Página 1 de 1

O asco_Parte 2

Enviado: quarta mai 08, 2019 6:39 pm
por Torgal
O jornal Público acaba de informar que o Tribunal da Relação confirmou a sentença da primeira instância que condenou o ex-banqueiro Salgado a pagar quase 4 milhões de euros por insolvência culposa. Atentas as declarações anteriores do catedrático Freitas do Amaral comentadas no email abaixo sobre a virginal inocência do ex-banqueiro só resta concluir que a decisão dos juízes da Relação tem como única justificação a de ser só para chatear o referido catedrático.
https://www.publico.pt/2019/05/08/econo ... gn=1871944



_____________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 19 de Dezembro de 2018 7:22
Assunto: Um artigo de um catedrático que é um autentico asco

https://www.publico.pt/2018/12/19/econo ... do-1855147

O catedrático aposentado Freitas do Amaral escreve hoje no Público sobre o ex-banqueiro Salgado. O simples facto de ele ser casado com uma prima do referido banqueiro deveria ser suficiente para que ele percebesse que não reúne suficiente imparcialidade para escrever ou falar do caso porém ele consegue até ir ao extremo de terminar o artigo a acusar a Comunicação Social de não ser suficientemente imparcial.

No asqueroso artigo o catedrático Freitas do Amaral repete o estafado argumento que a maior parte da culpa é do Governo do Passos Coelho e do Governador do Banco de Portugal, que segundo ele são culpados de não terem injectado milhares de milhões para salvar o BES. Um Procurador que se jubilou recentemente disse que "as nossas elites são vorazes" e é nesse contexto que devem ser lidas estas palavras do infeliz catedrático, o qual esquece muito convenientemente que o brilhante ex-banqueiro está indiciado por mais de uma dezena de crimes onde se incluí a tal ordem para falsificação das contas como relatou no Parlamento o tal "Commissaire aux comptes".

Um tal desespero de causa faz pensar que o catedrático de Direito não confia na justiça para apurar a verdade. E isso é tanto mais estranho pois que estamos no tal país onde como se lembrou no email abaixo os ricos tem uma justiça à la carte só para eles (Laborinho dixit). Se mesmo com uma justiça que favorece os poucos que podem pagar recursos para baixo e para cima quase até à prescrição o tal banqueiro não se sente confiante e precisa da ajuda do marido da prima é porque a coisa está mesmo preta. E de facto está mesmo, pois que muito poucos neste país esperavam ver a justiça condenar recentemente por corrupção um procurador tendo por base prova indirecta. E é esse facto e não qualquer outro que deve ter feito tremer a Quinta da Marinha.

P.S- Sem qualquer vergonha o artigo inicia-se ensinando que "até no boxe é proibido bater em quem foi atirado ao chão" esquecendo que o ex-banqueiro Salgado não está no chão pois que como deu conta o último numero da revista Sábado ainda continua a fazer uma vida que para os parâmetros nacionais é um luxo. Quem está no chão são os milhares de lesados que a portentosa "gestão" do referido banqueiro provocou. Esses sim adoravam "estar no chão" como está o ex-banqueiro Salgado.