pessoas que não querem perder o poder nas universidades

Informações recentes no universo dos bolseiros. Notícias da imprensa sobre ciência são também bem-vindas.
Responder
Torgal
cientista sempre presente
cientista sempre presente
Mensagens: 1135
Registado: quarta dez 09, 2015 8:17 am
University/ Institute: Minho

pessoas que não querem perder o poder nas universidades

Mensagem por Torgal » sábado fev 09, 2019 2:58 pm

O Expresso contém hoje uma entrevista ao Presidente do Snesup, que basicamente chama mentiroso ao Ministro Heitor, pois que quem diz mentiras mentiroso é, entrevista essa que entre outras coisas fala de um conjunto de pessoas na academia que não quer perder o poder e que tem desconfianças relativamente aos investigadores.

Esqueceu-se porém de dizer que além dessa desconfiança, que convém realçar radica no facto dos investigadores não terem feito o famoso juramento de subserviência, referido no email abaixo e esse conjunto de pessoas tem também outra coisa, tem vergonha de comparar a sua produção cientifica com a desses investigadores, porém essas pessoas deviam era ter vergonha de si próprias e vergonha também deveriam ter aqueles que as escolheram e que as nomearam a título definitivo, assim também contribuindo para envergonhar o país lá fora pois que quando por lá ouvem falar de Associados e Catedráticos com uma produção científica inferior à de um postdoc pensam que se trata de uma piada !




_______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 8 de Fevereiro de 2019 18:35
Assunto: Investigadores, enfermeiros e mineiros

Entretanto o número de investigadores subscritores na lista abaixo ultrapassou os 300 e aumentou também o número daqueles que lá se declaram na condição de desempregados, facto bizarro quando conjugado quer com a Solene declaração de emprego pleno que saiu da boca do Ministro Heitor, quer também quando conjugado com a situação dos enfermeiros, a classe que ocupa o espaço mediático e que entre outras coisas também exige aposentação sem penalização aos 57 anos, algo a que nem os mineiros deste país, que passam o dia enfiados num buraco a centenas de metros de profundidade tem direito.

Uma rápida pesquisa na base Scopus dos novos subscritores da lista abaixo que estão desempregados prova que há muitos com uma elevada produção científica o que suscita pertinentes dúvidas sobre as intenções denunciadas no texto da carta aberta relativamente ao facto da FCT ter reservado quase 90% das vagas para recém-doutorados.

Será que a explicação para essa bizarria pode encontrar-se nas palavras daqueles dois catedráticos (Orlando Lourenço e Armando Machado) que disseram aqui http://forum.bolseiros.org/viewtopic.php?f=8&t=6365 que na academia Portuguesa a subserviência é mais importante do que a competência ? Ou será que a resposta estará antes nas palavras daquele outro catedrático da ULisboa, Jorge Calado, que disse que as universidades não estão interessadas naqueles que podem fazer sombra aos que já lá estão ?



______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 7 de Fevereiro de 2019 18:13
Assunto: Carta aberta com mais de 150 de subscritores

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIp ... Q/viewform

Acima link para a carta aberta e respectiva lista de signatários. A subscritora nº 72 está desempregada e de acordo com a base Scopus tem quase 40 publicações referenciadas e um h-index=20, a subscritora nº101 é uma cientista que terminou o contrato em Dezembro apesar de ter 45 publicações referenciadas na base Scopus, já a subscritora nº 63 é uma cientista que também está desempregada, apesar de se ter fartado de produzir nos últimos anos e ter mais de 80 publicações referenciadas na base Scopus https://www.scopus.com/authid/detail.ur ... 7007140977

e vergonhosamente isto sucede no mesmo país onde há vários milhares de docentes do ensino superior que por contrato estão obrigados a realizar actividades de investigação e que contudo não possuem uma única publicação na base Scopus e onde (pasme-se) até há muitos Associados e Catedráticos que não possuem nem sequer uma miserável dezena de publicações na mesma base de dados como por exemplo os quatro abaixo listados, algo que só tem equivalente em universidades de países do Leste como a Roménia, a Bulgária ou de países subdesenvolvidos:
Prof. Catedrático (ULisboa) - https://www.scopus.com/authid/detail.ur ... 3102678900
Prof. Catedrática (U.Porto) - https://www.scopus.com/authid/detail.ur ... 5941501600
Prof. Associado (ULisboa) - https://www.scopus.com/authid/detail.ur ... 3664274800
Prof. Associado (UPorto) - https://www.scopus.com/authid/detail.ur ... 5361920300

E se como se prova nas páginas 16 e 17 do relatório oficial da DGEEC (link abaixo) até há Faculdades neste país onde mais de 70% dos docentes não fazem parte de nenhuma unidade de investigação será surpresa que nelas se encontrem também professores catedráticos e Associados com uma produção científica similar à daqueles acima ?
http://www.dgeec.mec.pt/np4/381/%7B$cli ... desFCT.pdf

E é por isso que como abaixo se escreveu o ensino superior neste país necessita de medidas radicais para se conseguirem ultrapassar estes constrangimentos que são absolutamente danosos para o futuro de Portugal.

Responder