Avaliação de unidades__conflito de interesses

Informações recentes no universo dos bolseiros. Notícias da imprensa sobre ciência são também bem-vindas.
Responder
Torgal
cientista sempre presente
cientista sempre presente
Mensagens: 1266
Registado: quarta dez 09, 2015 8:17 am
University/ Institute: Minho

Avaliação de unidades__conflito de interesses

Mensagem por Torgal » terça ago 13, 2019 3:25 pm

Numa determinada área cientifica, a única unidade que recebeu Excelente pertence à universidade de Lisboa. No relatório dessa área os paineleiros destacaram a elevada qualidade das colaborações internacionais dessa unidade mencionando duas instituições internacionais. Sucede porém que o Chair do referido painél pertence à primeira delas, o que parece mostrar que no minimo os membros do referido painél não conhecem a frase, "à mulher de César não basta ser honesta. é também necessário que o pareça" o que deveria ter levado o Chair do painél a escusar-se a participar na avaliação da dita unidade por óbvio conflito de interesses.

Há algum tempo atrás tinha questionado quem tinham sido os génios que escolheram os Chairs dos painéis de avaliação das unidades da FCT, os quais parecem ter sido escolhidos sem qualquer critério racional atenta a elevada disparidade em termos de qualidade das instituições, vide ficheiro no link abaixo que elaborei na altura https://www.docdroid.net/cBCmvkh/fct-av ... aineis.pdf constato agora que pelo menos relativamente à tal área cientifica acima referida conseguiram escolher entre as milhares de instituições do Planeta um Chair de uma instituição que por coincidência é precisamente aquela com a qual a tal unidade da universidade de Lisboa tem mais publicações conjuntas. Quais são as probabilidades deste ser apenas um evento aleatório ?


________________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 13 de julho de 2019 19:37
Assunto: Os 31 peritos secretos da Avaliação das unidades de investigação

"Este exercício de avaliação envolveu 224 avaliadores internacionais de elevada competência e experiência científica, oriundos de 26 países, 35% mulheres, distribuídos por 32 painéis, (lista de painéis) que analisaram remotamente as candidaturas e levaram a cabo visitas a todas as unidades de I&D concorrentes durante o período de 17 de setembro de 2018 a 21 de junho de 2019. Os painéis contaram ainda com o apoio de 31 peritos externos de 12 países."
https://www.fct.pt/noticias/index.phtml ... des_de_I&D

Embora tenha sido revelada a identidade dos membros dos painéis (tanto nos relatóros dos painéis como no relatório resumo da avaliação) não foi no entanto relevada a identidade dos fabulosos 31 peritosexternos.
Quem são e a que universidades pertencem os referidos 31 peritos secretos ? Porquê o secretismo ?


_______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 12 de julho de 2019 02:40
Assunto: Catedrático Jubilado Ferreira Gomes escreve sobre o pseudo-concurso das unidades de investigação

http://maissuperior.blogspot.com/2019/0 ... gos-e.html

Um texto exemplar pela sua acutilância que se inicia logo com uma interessante tabela que mostra que nunca em nenhuma avaliação anterior houve tantas unidades classificadas com Excelente e Muito Bom. A continuarmos por este caminho na próxima avaliação essa percentagem deverá subir para 80% e na avaliação seguinte decerto chegará aos 90% e nessa altura haverá apenas 10% de descontentes. Os outros países que abram bem a pestana para aprenderem como é que se faz ciência de elevadissima qualidade. É verdade que por estas bandas nem prémios Nobel nem medalhas Fields mas o que é que isso interessa ? Nada, rigorosamente nada !


_______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 11 de julho de 2019 06:53
Para: F. Pacheco Torgal
Assunto: Catedrático da Univ de Lisboa arrasa a nova lei da ciência e não só

http://visao.sapo.pt/opiniao/2019-07-09 ... -Ciencia-1

“Recentemente, a avaliação das instituições de investigação (Centros, Institutos, Laboratórios…) veio, de novo, trazer à tona as fragilidades de um sistema confuso onde a cultura de rigor não se impõe...Acresce que muitos avaliadores recorreram a parâmetros bibliométricos que as regras proibiam, criando uma fragilidade jurídica em todo o concurso que é muito delicada e perigosa.”

Responder