Catedrático da Univ de Lisboa arrasa a nova lei da ciência

Informações recentes no universo dos bolseiros. Notícias da imprensa sobre ciência são também bem-vindas.
Responder
Torgal
cientista sempre presente
cientista sempre presente
Mensagens: 1248
Registado: quarta dez 09, 2015 8:17 am
University/ Institute: Minho

Catedrático da Univ de Lisboa arrasa a nova lei da ciência

Mensagem por Torgal » quinta jul 11, 2019 5:44 am

http://visao.sapo.pt/opiniao/2019-07-09 ... -Ciencia-1

“Recentemente, a avaliação das instituições de investigação (Centros, Institutos, Laboratórios…) veio, de novo, trazer à tona as fragilidades de um sistema confuso onde a cultura de rigor não se impõe...Acresce que muitos avaliadores recorreram a parâmetros bibliométricos que as regras proibiam, criando uma fragilidade jurídica em todo o concurso que é muito delicada e perigosa.”




________________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 5 de julho de 2019 20:36
Assunto: Nem sequer a unidade de investigação da Presidente da FCT respeitou a regulamento

A nova Presidente da FCT, Helena Pereira, é investigadora da Unidade "Centro de Estudos Florestais" https://www.isa.ulisboa.pt/id/hpereira

classificada na presente avaliação com Excelente. Uma consulta ao relatório de avaliação revela que os avaliadores do painél não foram incapazes de resistir ao canto da sereia das métricas (número de artigos e impact factor) irregularmente plantadas no relatório submetido por aquela unidade:
“the scientific productivity of the Unit is important both in terms of quantity (around 2 papers per integrated research and year for 2013-2017) and quality, as high impact journals in very different fields"

Será que na unidade da actual Presidente da FCT leram o regulamento de avaliação ? Ou será que acharam que o conteúdo do mesmo era apenas um conjunto de asneiras produzidas por incompetentes e por isso sem qualquer valor oficial ? E se a resposta correcta for a segunda então onde fica o principio da legalidade plasmado no Artº 266/2 da CRP e no Artº 3/1 do CPA ? No caixote do lixo ?





_______________________________________________________________________
De: F. Pacheco Torgal
Enviado: 5 de julho de 2019 08:05
Assunto: Será que a avaliação das unidades de investigação padece de vicio insanável

Se como se viu aqui https://www.docdroid.net/ry1IZWw/intens ... idades.pdf
todos os painéis produziram avaliações contaminadas com elementos bibliométricos que o regulamento expressamente desaconselhou as unidades de incorporarem nos seus relatórios:
"Applicants were instructed not to include bibliometric information in the submitted applications, not only because such information could not be used for evaluation..."

faz sentido perguntar, será que depois de terem tido conhecimento das tais métricas não admissiveis os avaliadores serão capazes de produzir em sede de reavaliação um juizo respeitador do regulamento como se tais métricas nunca tivessem existido ? Isto é, serão os avaliadores capazes de um novo julgamento não contaminado pelo sabor do "fruto da árvore proibida" depois de terem provado tal fruto ?

Responder