Registar    Entrar    Fórum    Pesquisar    FAQ     RSS

Índice do Fórum » Assuntos a debate » Estatuto do Bolseiros de Investigação




Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 5 mensagens ] 
Autor Mensagem
 Assunto da Mensagem: Termo de Aceitacao de bolsa substituido por contrato.
 Mensagem Enviado: Segunda Maio 09, 2005 8:38 am 
Offline
Site Admin
Avatar do utilizador

Registado: Quinta Abr 22, 2004 3:00 pm
Mensagens: 404
Localização: http://www.bolseiros.org
Universidade/ Instituto: ABIC
.


Baseado no Regulamento da Acção IV.3.1 do POCI 2010 (Despacho Conjunto n.º 226/2005, de 3 de Fevereiro) aqui disponivel no fórum ( viewtopic.php?t=277 ) foi criado um contrato que substitui o anterior termo de aceitacao da bolsa.

o modelo do contrato pode ser lido aqui:

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Em Abril a Direccao da ABIC foi convidada a comentar e enviar as suas sugestoes sobre o contrato e que posteriormente seria convidada para uma reuniao (ainda aguarda contacto se bem que o contrato aparentemente ja está a ser assinado por bolseiros):

Citar:
Apreciação à proposta de
“Contrato de Bolsa de Investigação
Eixo IV – Ciência e Ensino Superior
Medida IV.3 – Formação Avançada para a Ciência
Acção IV.3.1 – Bolsas de Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento para a Ciência”



Nota Prévia

A proposta de contrato em apreciação transcreve na íntegra vários pontos constantes do Regulamento da Acção IV.3.1 do POCI 2010 (Despacho Conjunto n.º 226/2005, de 3 de Fevereiro) - viewtopic.php?t=277 . O desconhecimento por parte da ABIC deste regulamento, recentemente aprovado, obrigou à sua apreciação prévia.



Regulamento da Acção IV.3.1 do POCI 2010


Apesar da referência, no Despacho que aprova o Regulamento, à consulta aos “Parceiros Sociais”, ao contrário do que sucedeu com o Estatuto do Bolseiro de Investigação (Lei n.º 40/2004), a ABIC não foi incluída nesta consulta, facto que lamentamos.

O conteúdo do regulamento merece-nos sérias reservas, desde logo pelas limitações que introduz ao exercício de direitos consagrados (ainda que de forma insuficiente) no Estatuto do Bolseiro. Detectam-se algumas contradições e incongruências entre alguns pontos do regulamento e o disposto no Estatuto.
De entre as disposições deste regulamento, numa apreciação sumária, gostávamos de destacar as seguintes:

*Artigo 4º, n.º 2 – Segundo o regulamento, as bolsas de doutoramento são susceptíveis de renovação até um máximo de três anos de duração total da bolsa. No Estatuto do Bolseiro, no entanto, este limite é de quatro anos (registamos que a aparente gralha do regulamento é contudo corrigida na proposta de contrato em apreciação).

*Artigo 14º, n.º 2 – A diminuição do montante da bolsa nos casos em que o bolseiro aufira remuneração decorrente de vínculo contratual não está prevista no Estatuto do Bolseiro nem nos parece que deva existir. A este respeito, importa mencionar a garantia da anterior tutela de não haver intenção de diminuir o montante das bolsas nos casos em que os bolseiros exerçam actividades (auferindo as remunerações daí decorrentes) que se enquadrem nas excepções permitidas pelo regime de dedicação exclusiva.

*Artigo 15º, n.º 3 – Estando estipulado um montante máximo por ano para estas componentes das bolsas, não há razão para admitir a possibilidade de, feita a devida programação, não haver disponibilidade orçamental para as assegurar.

*Artigo 21º, n.º 2 – Este ponto é, em nosso entender, de especial gravidade. Incidindo sobre uma questão tão sensível como o é a assistência na doença, vem contrariar claramente o disposto no n.º 3 do artigo 9º do Estatuto do Bolseiro.

*Artigo 26º, n.º 1 – Seria aconselhável uma formulação mais clara e precisa, menos lata, relativamente às condições em que haverá lugar à devolução das importâncias recebidas. É que se esta será admissível em determinadas circunstâncias, não o será noutras que podem eventualmente caber na formulação adoptada.

*Artigo 28º, n.º 2 – Às sanções a aplicar ao bolseiro em caso de falta grave da parte deste, falta acrescentar e explicitar as sanções a aplicar à entidade acolhedora ou financiadora em caso de falta grave ou reiterada da parte desta. Este contraponto é em certa medida feito no Estatuto do Bolseiro mas não neste regulamento.


Proposta de Contrato de Bolsa de Investigação

O artigo 8º do Estatuto do Bolseiro de Investigação (Lei n.º 40/2004), no seu número 1, explicita os elementos que devem obrigatoriamente constar do contrato de bolsa. Na proposta em apreciação, optou-se por incluir uma série de cláusulas adicionais para além das estritamente necessárias. Tal foi contudo feito de forma desequilibrada, fragilizando (ainda mais) a posição do bolseiro, em lugar de a defender. O desequilíbrio é patente no contraste entre as obrigações a que o bolseiro se encontra sujeito e as garantias de que beneficia e as obrigações do “primeiro outorgante” (nem uma única é explicitamente referida) e as garantias que lhe são atribuídas.

A presente proposta não representa, em nosso entender, um acréscimo de direitos e garantias do bolseiro (o que seria desejável) face ao anterior “Termo de Aceitação de Bolsa”. Acrescenta e detalha sim, em termos gerais, um conjunto de obrigações ao “segundo outorgante” (que não contestamos) e um conjunto de garantias e salvaguardas para o “primeiro outorgante”, daí o referido desequilíbrio.

Segue-se uma referência, necessariamente sumária, a alguns dos pontos do contrato:
*Cláusulas 3ª e 4ª - Aqui surge uma dúvida: a que corresponde “o financiamento aprovado no âmbito do POCI 2010” (n.º 2)? A referência no contrato às origens do financiamento pode criar alguma confusão desnecessária e eventualmente contribuir para um “diluir” de responsabilidades em caso de falha neste financiamento. Mais relevante seria a inclusão de um ponto – ausente na proposta – que garanta o pagamento pontual das importâncias relativas à bolsa, seja o subsídio mensal seja das restantes componentes. Será igualmente importante a inclusão de uma disposição que garanta que deverá haver lugar ao acréscimo do montante global do financiamento nos casos previstos nas alíneas f) e g) do n.º 1, artigo 9º do Estatuto do Bolseiro, por forma a permitir assegurar o consagrado no n.º 3 do mesmo artigo.

*Cláusula 6ª - A decisão de atribuição de uma bolsa, deve ter à partida em conta as diferentes componentes dessa mesma bolsa (constantes no artigo 15º do regulamento da Acção IV.3.1 do POCI-2010), para as quais estão estipulados valores máximos. Não se justifica assim a necessidade de uma reprogramação e de uma nova aprovação para uma dada componente da bolsa (desde que naturalmente sejam cumpridos os requisitos para aceder às respectivas componentes).

*Cláusula 7ª - As causas de cessação de contrato encontram-se recenseadas, de forma mais correcta e equilibrada do que aqui é feita, no artigo 17º do estatuto do bolseiro. Para o ponto 2, é válida a mesma observação feita acima relativamente ao n.º 1 do artigo 26º do regulamento da Acção IV.3.1 do POCI 2010.

*Cláusula 8ª, n.º 3 – Este ponto é simplesmente inaceitável dispensando, por agora, quaisquer outras considerações.

*Cláusula 9ª, n.º 1 – Uma dúvida: este ponto refere-se ao início da bolsa (pagamento do subsídio de manutenção) ou ao início da actividade que justifica a concessão da bolsa? Deveria ser explicitado em que circunstâncias e salvaguardadas circunstâncias especiais que justifiquem o atraso no início das actividades.

Para além dos já sugeridos, outros elementos, ausentes desta proposta, deveriam igualmente constar do contrato:

*Seguro contra acidentes pessoais, incluindo as deslocações ao estrangeiro, da responsabilidade da entidade acolhedora ou financiadora (conforme estipulado no Estatuto do Bolseiro, alínea f) do n.º 1 do artigo 9º).

*Gozo de um período de férias – interrupção das actividades sem cessação do pagamento da bolsa – de vinte e dois dias úteis por ano civil.

*Reembolso das prestações devidas à segurança social por adesão ao seguro social voluntário (Estatuto do Bolseiro, n.º 4 do artigo 10º).
Acesso a cuidados de saúde (Estatuto do Bolseiro, artigo 11º).

Ou ainda, com grau diverso de importância, mas igualmente a considerar nesta fase de discussão, os seguintes:
Responsabilidade subsidiária da entidade acolhedora pelo pagamento da bolsa.

Outras responsabilidades da entidade acolhedora (Estatuto do Bolseiro, n.º 1 do artigo 13º).



[editado à posterióri]
Sobre este assunto ler também aqui:

Provedoria de Justiça dá parcialmente razão à ABIC
viewtopic.php?t=782

[/edit]

_________________
A Moderação do Fórum dos Bolseiros
http://forum.bolseiros.org/


última vez editado por forum.abic s Segunda Set 18, 2006 2:39 pm, editado 1 vez no total

Topo 
 Perfil  
Resposta com citações  
 Assunto da Mensagem: Contrato
 Mensagem Enviado: Terça Set 12, 2006 10:09 pm 
Offline
investigador em formação
investigador em formação

Registado: Sábado Jul 29, 2006 9:31 pm
Mensagens: 36
Localização: Faculdade de Motricidade Humana
Ora aqui está para quem estiver interessado. :D


Topo 
 Perfil  
Resposta com citações  
 Assunto da Mensagem: Re: Termo de Aceitacao de bolsa substituido por contrato.
 Mensagem Enviado: Sexta Mar 13, 2009 2:48 pm 
Offline
recém-chegado
recém-chegado

Registado: Quarta Mar 11, 2009 10:53 am
Mensagens: 3
Universidade/ Instituto: IPIMAR
Uma dúvida sobre os novos contratos de bolsas em projectos de investigação. É devido imposto de selo? Se sim, quem o deve pagar?

Celebrei agora um contrato e estão a querer cobrar-me 5€ de imposto do selo...


Topo 
 Perfil  
Resposta com citações  
 Assunto da Mensagem: Re: Termo de Aceitacao de bolsa substituido por contrato.
 Mensagem Enviado: Quarta Abr 01, 2009 11:49 am 
Offline
recém-chegado
recém-chegado

Registado: Quarta Mar 11, 2009 10:53 am
Mensagens: 3
Universidade/ Instituto: IPIMAR
Ninguém aqui assinou um contrato de bolsa?


Topo 
 Perfil  
Resposta com citações  
 Assunto da Mensagem: Re: Termo de Aceitacao de bolsa substituido por contrato.
 Mensagem Enviado: Quarta Abr 01, 2009 1:20 pm 
Offline
Sócios
Sócios

Registado: Quarta Fev 28, 2007 2:38 pm
Mensagens: 664
Localização: Universidade do Minho
Universidade/ Instituto: Universidade do Minho
Olá.

Nos últimos contratos de bolsa que assinei (2006 com a Universidade do Minho e 2007 com a FCT) não tive de pagar imposto de selo.
Mas não sei se isso poderá depender das instituições e das regras internas de contratos...

Tiago


Topo 
 Perfil  
Resposta com citações  
Mostrar mensagens anteriores:  Ordenar por  
 
Criar Novo Tópico Responder a este Tópico  [ 5 mensagens ] 

Índice do Fórum » Assuntos a debate » Estatuto do Bolseiros de Investigação


Quem está ligado

Utilizadores a navegar neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante

 
 

 
Criar Tópicos: Proibído
Responder Tópicos: Proibído
Editar mensagens: Proibído
Apagar mensagens: Proibído
Enviar anexos: Proibído

Pesquisar por:
Ir para:  
cron
Alojamento oferecido por David A.